Domingo, 30 de Dezembro de 2007
Projecto "Auto-Avaliação"

    Em seguimento da proposta elaborada pelo grupo Alter-Ego, o grupo UrbanPlan expõe a sua auto-avaliação relativamente a todo o trabalho realizado até ora.

    De uma forma sucinta, no decorrer do primeiro período procedemos ao levantamento online dos aspectos mais mediáticos a nosso ver com que nos deparámos e/ou surgiram na elaboração da nossa pesquisa  e excogitação do actual estado de Lamego.

 Por conseguinte,  a nossa ordem de trabalhos foi a seguinte:

  1. Apresentação Do Grupo E A Sua Localização Num Espaço Físico Real
  2. Planeamento Interno Da Estratégia A Seguir
  3. Estabelecimento De Contacto Com As Entidades Locais De Forma A Obter O Máximo De Informação Possível
  4. Filtragem E Armazenamento De Informação
  5.  Início Do Blog
  6. Apresentação Da Cidade No Blog, Partindo Da História Até À Sua Actualidade
  7. Levantamento Conciso De Problemas Sensíveis A Todas As Populações Residentes
  8. Exposição De Medidas Concretas Para Possíveis Resoluções Dos Problemas Anteriormente Aferidos.
  9. Revisão Final.

    Naturalmente que todo o trabalho escrito desenvolvido será o "capitulo I" do relatório que será entregue ao CCC. Não podemos no entanto abstermo-nos de um compromisso que incutimos em nós aquando da inicial aceitação do projecto. O trabalho escrito desenvolvido será acção transformada em produto de múltiplos esforços.

 


tags:

Publicado por UrbanPlan às 21:02
Link da Notícia | Comentar | Adicionar a favoritos
|

Feliz Ano Novo

      O grupo URBANPLAN deseja aos organizadores e a todos os colegas do projecto Cidades Criativas um feliz ano de 2008.

 



Publicado por UrbanPlan às 19:39
Link da Notícia | Comentar | Adicionar a favoritos
|

Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007
Lamego - Final De Revisão

    Como é do conhecimento geral, os concelhos de pequena e média dimensões encontram-se excessivamente dependentes dos fundos comunitários nos seus planos orçamentais.

     Este facto vem demonstrar a pouca disponibilidade financeira de que dispõem as autarquias deste género. Consequentemente, todos os projectos megalomonos que seguirem avante requerem um aumento de receitas subjacentes conjuntamente com a autorização do Tribunal de Contas. Deste modo , proporcionámos especial ênfase à avaliação da cidade consoante as suas limitações nas transferências de capitais.

    Após esta breve introdução prosseguimos com uma reflexão mais minuciosa e, naturalmente, de índole pessoal, uma vez que todo o nosso trabalho é exclusivamente da nossa autoria.

    Por conseguinte, os domínios que carecem de maior urgência na sua reestruturação / acréscimo segundo o nosso parecer são:

  1. Infra-estruturas Básicas
  2. Turismo
  3. Campo Rodoviário


Publicado por UrbanPlan às 14:54
Link da Notícia | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar a favoritos
|

1. Infra-Estruturas Básicas

     É de uma importância fucral a existência de infra-estruturas básicas que assegurem alguma qualidade de vida base. Conquanto a cidade de Lamego não possua nenhuma falha a destacar neste parámetro, o mesmo não se aplica a alguns dos municípios constituintes do seu concelho. A salientar a ausência parcial de saneamento básico em determinados municípios. Será uma obra dispendiosa porém crucial na salvaguarda da população residente.

     Cremos que esta lacuna seja imperdoável num país desenvolvido em pleno século XXI.



Publicado por UrbanPlan às 14:53
Link da Notícia | Comentar | Adicionar a favoritos
|

2. Turismo

     O Turismo é por excelência a imagem de marca lamecence. É de louvar o esforço da autarquia (que atravessa uma situação financeira periclitante) na promoção deste; substancialmente na publicidade à festa rainha de Lamego (referimo-nos inevitavelmente à Festa de Nossa Senhora Dos Remédios). Todavia, julgamos que o turismo em Lamego se encontre subaproveitado. É vital ser-se criativo e lucrar com a mesma criatividade alcançada, especialmente quando a cidade possui um potencial colossal por aproveitar.

     O grupo UrbanPlan sugere, à semelhança do verificado em países como a Suiça, a "privatização" de monumentos degradados em perigo de desmorronamento e de eventual dispendiosa recuperação a empresas privadas que reabilitem os centros históricos em questão e os preservem doravante usufruindo destes por via do turismo.

     Esta medida teria como repercussões sadias não somente a reconstrução espacial da temporalidade passada como em uníssono a criacção de postos de trabalho, a rentabilização do turismo, a salvaguarda do património local e o aumento de dividendos para a autarquia.

     A única vicissitude inerente será a obtenção de licenciamento por parte da IPAR.

Como diz o poeta: "O Homem sonha e a Obra nasce".



Publicado por UrbanPlan às 14:53
Link da Notícia | Comentar | Adicionar a favoritos
|

3. Campo Rodoviário

    Na era actual as acessibilidades assumem-se como um factor chave para a atracção de indústrias e bens. É de visar a necessidade da existência de um conjunto de artérias citadinas e vias estruturantes que possibilitem o deslizamento com relativa facilidade do tráfego existente para diversas direcções, e inclusivamente, com o aumento do tráfego actual.

   Todavia, esta não é a situação vivenciada em Lamego. Alguns dos acessos estão saturados, e, na eventualidade de um aumento de tráfego local, a circulação sofrerá exponencialmente os engarrafamentos já rotineiros às horas de ponta em determinados pontos específicos. 

   Como solução frisamos as sugestões previamente referidas neste blog. Conquanto se trate de um investimento exorbitante, julgamos que seja a melhor medida a tomar a longo prazo, caso não queiramos um progressivo aumento do caos rodoviário lamecence. Não obstante, a zona industrial recentemente planeada e aprovada pela autarquia municipal no município de Várzea de Abrunhais estará em desvantagem face às suas concorrentes perante a sua inferioridade neste mesmo campo mencionado.



Publicado por UrbanPlan às 14:53
Link da Notícia | Comentar | Adicionar a favoritos
|

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007
Redução do PIDDAC

    Em virtude da reducção do PIDDAC no respeitante ao orçamento de 2008 e, em uníssono para com as previsões pessimistas de uma progressiva redução do mesmo nos anos subsequentes, cremos por bem contactar a Câmara Municipal de Lamego, facultando a esta os nossos projectos estruturantes, substancialmente os de maior dispêndio monetário (nomeadamente os relativos ao campo rodoviário).  Face à estimada diminuição do orçamento disponibilizado, é imperativo rentabilizar os fundos disponiveis tendo sempre em mente a durabilidade das infra-estruturas e investindo em longo prazo. Por conseguinte, é imperativo agir, tomar medidas benfajezas e remediar as lacunas presentes na cidade. Em suma, é tempo de actuar, de fazer algo.

     Deste modo, esperemos que a autarquia receba de bons olhos as nossas ideias; não como qualquer género de ofensa, porém como uma medida empreendedora em benefício da cidade e consequentemente de todos nós, seus cidadãos. 

 

 

    Obs: Para todos os "leigos" dentro dos planos orçamentais, PIDDAC é a abreviatura de Programa de Investimento e Despesa de Desenvolvimento da Administração Central.



Publicado por UrbanPlan às 12:04
Link da Notícia | Comentar | Adicionar a favoritos
|

Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2007
Lacticínios Paiva

Os triunfos dos queijos “Os Lacticínios Paiva”
Por Giuseppe Gillardino

Quando abordamos um produto alimentar ancestral como o QUEIJO somos obrigados, antes de tudo, premiar o leite, na sua história realçar a criação de gado.
Como toda a gente sabe, esta foi a matéria-prima “o LEITE” que permitiu produzir ou que foi denominado como Queijo.
Não temos provas tangíveis de como o Queijo nasceu, há várias suposições, como o fruto do acaso, relacionando-o com as primeiras tentativas de transporte realizadas em sacos de couro, possivelmente de bezerro, onde o leite era guardado e transportado.
Talvez foi desta forma que a suposta coagulação enzimática do LEITE originada pelas evidentes enzimas que os couros possuem, provocou o fenómeno da coagulação.
Outras hipóteses poderiam ter sido provocadas pelas sobras do leite que podiam originar no curso das diferentes manipulações, provocando o mesmo fenómeno.
Sem dúvida, existe uma absoluta verdade histórica, nada que possa ser comprovativo destas versões. Uma coisa é certa foi muito cedo que o seres humanos observaram com atenção os citados fenómenos do leite.
Conferindo uma tal importância a este produto de excepção que foi servindo para muitas populações como moeda de câmbio comercial.
Encontramos contos muito interessantes da parte dos grandes personagens da Historia, Aristóteles, Homero, Columela, Plínio ou Catão, nas suas receitas gastronómicas e que contam dados históricos, valorizando os queijos dos Gauleses ou dos Helvéticos. Nos países Mediterrânicos os queijos dominavam as delícias dos repastos.
As mesas gastronómicas dos grandes do mundo antigo, quer seja nos banquetes oficiais, como na vida corrente não dispensavam os queijos, rivalizando entres eles. Apresentar aos convidados os melhores e os mais variados queijos, era sinónimo de cultura e de poder.
Em Portugal temos bons e variados Queijos, apesar destes ainda não terem ganho fama internacional que possuem os Queijos franceses, italianos ou suíços.
Sem dúvida, mais uma vez, no meu entender neste tipo de alimento falta uma organização de marketing promocional adaptada.
Denota-se uma ausência dos Queijos nos restaurantes, uma grande falha na mesa portuguesa, os estrangeiros estão habituados a consumir Queijos no fim de um repasto.
Pessoalmente não conheço uma loja com um Mestre em queijos onde pudesse refundir o saber ao público interessado.
Nesta linha dos Queijos Paiva encontramos produtos de excelente qualidade, dando como exemplo o queijo amanteigado único em Portugal, são os queijinhos frescos realçando-se pelos seus condicionamentos de embalagem.
Temos que fazer uma vénia perante o sucesso desta empresa. Fundada em 1933, estes 62 anos na história empresarial permitiram criar uma linha de produção que julgo oferecer uma nota de semi-artesanal.
Alías, já foi mencionado com um claro elogio pela DECO na Revista para a Defesa do Consumidor.
OS LACTICÍNIOS PAIVA comercialmente cobrem a quase totalidade do mercado nacional com cerca de 2 milhões 124 mil kg de queijo distribuído em 22 referências.
Proporcionando sabores dentro de três tipologias de leite VACA, OVELHA e CABRA.
Esta unidade coloca-se pela sua dimensão no quarto lugar a nível nacional, acompanhando as grandes multinacionais presentes no Mercado Português.
Em perpétua evolução e procurando soluções modernas nas complexidades do meio ambiente não foi sempre fácil. Com persistência continua-se na melhoria das instalações e a administração admite ter projectos mais ambiciosos dentro da modernização.
Uma das mais importantes exigências para garantir a qualidade, realça-se nos aspectos da higiene. O volume de produtividade e da qualidade só se pode atingir com instalações suficientemente modernas.
Unir em simbiose os paladares à modernidade, respeitando a autenticidade dos produtos nestes domínios o próprio rigor legislativo implica muitas vezes desafios e estudos muitos árduos, como um laboratório de análise que será instalado na própria empresa.
Como já disse em muitos dos meus artigos, quando vamos às compras tentamos comprar Português e produtos regionais, esta postura podemos também nomeá-la como cidadania.
 
In Lamego Hoje  01-12-2005

tags:

Publicado por UrbanPlan às 13:45
Link da Notícia | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar a favoritos
|

Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2007
Vinho do Porto descoberto em Lamego

Terá sido através de um mercador inglês que o depois denominado vinho do Porto passou a ser conhecido e comercializado em Inglaterra. Este mercador, sediado em Viana do Castelo, viajou, a determinada altura, por terras do Douro, tendo ficado hospedado no Convento de Santa Cruz, em Lamego. Ali foi obsequiado pelos monges, que no final de um magnífico repasto, foi brindado com um saboroso vinho de sobremesa "entre ambarado e fogo, que a Ordem colhia num seu couto ou quinta ribeirinha do Douro". Este inglês, "estarrecido" com tal bebida, pois nunca tinha provado coisa melhor na vida, depressa tornou a Lamego para "comprar alguns almudes do precioso néctar". Assim se terá começado a conhecer o vinho generoso de Lamego que, pelo rio Douro abaixo, era desembarcado em Vila Nova de Gaia, para, depois de devidamente tratado, ser exportado para o estrangeiro. Daqui também o nome porque ficou, durante algum tempo, conhecido - Vinho de embarque - cuja verdadeira expansão se inicia, em grande escala, na segunda metade do séc. XVII.

É já no século XVIII, com o Tratado de Methwen, celebrado entre Portugal e Inglaterra, através do qual este país dá condições aduaneiras favoráveis à entrada dos vinhos nacionais, que o vinho do Porto passa a afirmar-se como produto de qualidade internacional, aumentando permanentemente o número de apreciadores e consumidores, não só em Inglaterra, que até 1963 foi o primeiro importador desta bebida de excepção, como em França, que ocupa presentemente esse lugar e, progressivamente, em muitos países do Mundo onde a fama deste vinho conseguiu chegar.

Texto do Dr. Agostinho Ribeiro, Director do Museu de Lamego.


tags:

Publicado por UrbanPlan às 16:44
Link da Notícia | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar a favoritos
|

Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007
Análise Intermediária Ao Estado Da Cidade

 No decurso da nossa pesquisa e excogitação relativa ao actual estado da cidade de Lamego deparámo-nos inevitavelmente com divergências no desenvolvimentos de determinadas áreas.

  Em primogénito, o nosso espanto pelos acessos  e artérias rodoviárias da cidade. Conquanto estivessemos a par do panorama negativo destas, as nossas expectativas estavam aquém da realidade.

 É de uma naturalidade surpreendente o desenrolar de engarrafamentos em pontos críticos da cidade que incrivelmente se verificam com uma "fulminante" pontualidade.  De frisar, para além da situação já previamente analisada, a principal entrada de Lamego, uma péssima imagem de marca para os automobilistas que acedem a Lamego por via da SCUT A24. É com uma frequência avassaladora que este acesso à cidade se encontra saturado e intransitável à hora de ponta. Não obstante a falta de estacionamento capaz de satisfazer as necessidades da escola da Sé e dos moradores locais em uníssono, o mau estado do piso condiciona igualmente o fluxo de transito.

 A ideia proposta pelos UrbanPlan (em conformidade para com a obra já realizada pela autarquia ao reestruturar a via gerando uma dupla circulação num dos sentidos e um espaço exclusivo destinado à paragem dos transportes escolares) é a construção de uma ponte em curva situada paralelamente à já existente. Deste modo pretende-se estabelecer uma ligação rodoviária entre dois pontos opostos da cidade que forneça igualmente um acesso mais directo ao centro da povoação de Lamego e que posteriormente possa inclusivamente ser utilizada como uma variante à cidade.

 Em suma,  perante as informações de que dispomos actualmente, o campo rodoviário assume-se indubitavelmente como o ponto negro da cidade.

  No revés da medalha, encontramos o campo cultural. Através do que os meios comunicativos possibilitam, este campo tem sido dinamicamente promovido e fortificado pela Câmara Municipal respectiva. Com especial destaque, gostariamos de referenciar a publicação de "Lamego Em Revista".  Este boletim informativo possui um moralizante e apelativo incentivo ao desenvolvimento de novas implementações nas tradições locais sem nunca colocar de parte o valor da cultura já existente, num acto contínuo de preservação do histórico e na evolução do presente.

 Obs: de forma a não tornar a leitura deste escrito maçadora não abordámos as restantes áreas trabalhadas nesta análise intermédia à cidade.

 


tags:

Publicado por UrbanPlan às 11:44
Link da Notícia | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar a favoritos
|

Informação Adicional
Apoios
Últimas Novidades

Cartaz

Lamego vs Régua

Casa de Sto. António

Caves da Raposeira

Escola de Hotelaria e Tur...

Região de Turismo Douro-S...

1.0 Acção Social

ICP 1.0 Acção Social

ICP: 1.0 Acção Social

Intervenção A Curto Prazo

tags

todas as tags

Arquivo

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Visitados